Centro Geral

Mesquita celebra Dia Municipal do Surdo

Mesquita celebra Dia Municipal do Surdo 10
Clique aqui e receba, com exclusividade, as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet.

A inclusão social, a acessibilidade e o atendimento médico acompanhado por intérprete de Libras é considerado como grande avanço para a comunidade surda

Com o objetivo de ampliar ainda mais a socialização e a acessibilidade da comunidade surda em Mesquita, a prefeitura da cidade promoveu ação social, na segunda-feira, dia 30 de setembro, na Praça Elizabeth Paixão, no Centro, disponibilizando vários serviços gratuitos.

A atividade é promovida pelo setor de Direito Humanos da secretaria de Assistência Social e faz parte do Setembro Azul, cujo mês é marcado por uma série de ações, dentre elas espetáculos culturais, voltadas para pessoas com deficiência auditiva.

A ação contou com serviços de atendimento social, Balcão de Empregos e Cadastro Único, além de conscientização sobre acessibilidade e saúde bucal, métodos contraceptivos e palestra sobre a empregabilidade para surdos. Dezenas de pessoas participaram das atividades, que celebram também, em Mesquita, a data de 26 de Setembro como o Dia Municipal do Surdo, instituído pela Câmara de Vereadores. Dirigentes das atividades destacaram o empenho do governo municipal em criar meios e formas de ampliar a inclusão dos surdos. “As consultas médicas acompanhadas de intérprete de Libras, por exemplo, significa um grande avanço os surdos”, reconhece Norma Pereira Lima, 56 anos, mãe de um deficiente auditivo.

De acordo o coordenador Municipal de Políticas de Direitos Humanos da secretaria de Assistência Social, Flávio Rossini, 24% da população de Mesquita possui alguma deficiência. “É um número significativo, e dentro desse percentual a comunidade surda é a que mais se isola por falta de intérpretes”, disse. Em função dessa situação, conforme lembra, o governo Jorge Miranda contratou interpretes da Linguagem Brasileira de Sinais (Libras), para acompanhar pessoas surdas durante atendimentos médicos na Clínica da Família Dr. Jorge Campos, no bairro Coreia, cujo serviço será ampliado a outras unidades de saúde.

Socialização

A primeira intérprete de Libras na área da saúde no Estado do Rio de Janeiro, Laura Silva de Alcântara, esteve no evento e falou sobre a importância da acessibilidade. A ação serviu como forma de socialização para a comunidade surda. “Essa acessibilidade garante com que eles não tenham seus direitos respeitados. As pessoas que atendi se mostraram muito felizes, esse tipo de ação nunca aconteceu na cidade e isso é um diferencial na vida deles”, disse a intérprete. 

Publicidade