Mesquita Online
Notícias de Mesquita todo dia

Campanha de combate à violência contra a mulher inicia em Mesquita

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

Começa nesta quarta-feira, (20), a campanha dos “16 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contra Mulheres”.Mas, no Brasil, dura 21 dias. Em Mesquita, o pontapé inicial aconteceu nesta terça-feira, (19), no Espaço Mulher Mesquitense, na Rua Libânia 195, na Vila Emil. E se deu com uma palestra ministrada pela professora Raquel Cavalcanti Albuquerque. Segundo ela, o objetivo da campanha é combater todos os tipos de violência contra as mulheres, principalmente as negras. E cita, por exemplo, até a violência que pode ser sofrida durante o parto.

Criada em 2008 pela Organização das Nações Unidas (ONU), a campanha procura mobilizar a sociedade civil em todo mundo. No Brasil, as atividades começam em 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra, e finalizam no dia 10 de dezembro, o Dia Internacional dos Direitos Humanos. Em Mesquita, a palestra que abriu as ações teve o tema “Violência tem Cor?”. Promovida pela coordenadoria municipal de Politicas para Mulheres (CMPM), setor comandado por Silvânia Almeida, junto com o setor de Promoção de Igualdade Racial, sob a coordenação do ativista negro Cláudio Macalé, teve apoio da secretaria de Assistência Social, que tem como titular Erika Rangel.

Raquel Cavalcanti disse que a violência contra a mulher acontece em nível nacional e que as agressões são principalmente física, moral, sexual e até financeira. “É quando se usa o poder de renda para subjugar a mulher”, explica. Segundo Raquel, no Brasil, acontece também o que ela chama, por exemplo, de “violência obstétrica”. Isso seria “quando fazem o corte vaginal na hora do parto, mesmo sem ser necessário, na maioria das vezes, e sem consultar a mulher”.

Raquel também cita o feminicídio no Brasil. “A maioria das vítimas é da população negra”, resume. “Aqui, a violência tem cor, sim”, concorda Macalé. Erika Rangel, que destacou a iniciativa da campanha em Mesquita, disse que “historicamente, a violência tem cor e é real. As mulheres negras são as maiores vítimas de vários tipos de violência na nossa sociedade”.

você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais