Mesquita Online
Notícias de Mesquita todo dia

Polícia Civil cria projeto para aprimorar investigações de casos de violência contra a mulher

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou pelo Telegram CLIQUE AQUI

O Instituto de Pesquisa e Perícia em Genética Forense (IPPGF), que pertence ao Departamento Geral de Polícia Técnico-Científica (DGPTC), órgão da Secretaria da Polícia Civil (Sepol), desenvolve um projeto que busca aprimorar e dar maior celeridade às investigações envolvendo crimes de violência contra a mulher. A proposta é da diretora do IPPGF e perita criminal Selma Lilian Sallenave Sales, que viu no aumento dos números de violência contra a mulher, registrados no país, um fator preocupante e que precisava de uma resposta à altura.A perita conta que a intenção é trabalhar em dois pontos específicos, sendo o primeiro o aperfeiçoamento de metodologias para otimizar a qualidade do DNA obtido a partir das amostras, além de acelerar seu processamento. O segundo ponto é alimentar o Banco Estadual de Perfis Genéticos (BEPG) do Rio de Janeiro e também o Banco Nacional que integra todas os Bancos de DNA Periciais do Brasil.

– A utilização de tecnologias que permitam aumentar o sucesso na resolução de crimes sexuais é fundamental. Queremos fazer com que o processo seja o mais rápido possível, por meio da utilização de plataformas automatizadas. Esses são crimes de difícil caracterização porque não é simples separar o DNA da vítima e do agressor para análise, pois, na maioria das vezes, ocorre mistura dos materiais genéticos – comentou a perita.

O projeto tem por objetivo inicial processar amostras de casos abertos de violência sexual ocorridos sobretudo entre os anos de 2005 e 2012, e conta também com a participação em equipe dos peritos Arthur de Mello Prates, um dos administradores do Banco de DNA no IPPGF, e de Priscila Afonso Torres, a atual chefe do laboratório. Para a compra dos insumos foram usados os recursos recebidos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro – FAPERJ. A expectativa é de poder obter um DNA de qualidade e que corresponda aos critérios técnicos exigidos para a inserção no banco de dados, aumentando a possibilidade de identificar um agressor e até mesmo um estuprador em série.

– A maioria dos casos que ainda recebemos é de casos que chamamos de fechados, por já apresentarem um possível agressor. No entanto, o processamento de casos abertos tem aumentado gradativamente desde a implementação do banco, o que reflete os esforços da Perícia do Rio de Janeiro em investir na resolução de crimes desse tipo – conta a diretora do IPPGF.

você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais