Mesquita Online
Notícias de Mesquita todo dia

Investigação afirma que clube de Mesquita falsificou 57 exames de Covid-19

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

A pandemia da Covid-19 tem impactado bastante no futebol e exigindo que os clubes sejam mais responsáveis com seus atletas. No entanto, a crise sanitária acaba muitas vezes sendo encarada de forma negligente e criminosa por algumas instituições. Uma investigação do TJD-RJ concluiu que o Mesquita Futebol Clube, clube da Série B2 do Carioca, falsificou 57 exames da Covid-19 durante a disputa do último torneio estadual, que terminou em fevereiro. As informações são do portal “globoesporte.com”.

De acordo com o site, o atual presidente do Mesquita, Ângelo Benachio, Cleber Louzada, ex-presidente; e o gestor Antônio Carlos Dias de Souza foram denunciados pela Procuradoria. A pena máxima prevê suspensão do futebol por quatro anos e meio e uma multa de R$ 200 mil para os quatro dirigentes.

A denúncia foi feita na última semana. Havia a suspeita sobre o caso, porém, havia poucos indícios de falsificação. O TJD-RJ abriu inquérito e entregou o relatório do auditor Rodrigo Octávio Pinto Borges à Procuradoria. O processo deve ser distribuído nos próximos dias.

A investigação concluiu que o clube da Baixada Fluminense apresentou à federação dois lotes de exames falsos: o primeiro no dia 29 de dezembro e o segundo no dia 7 de janeiro. Os testes antecederam dois jogos da equipe. O primeiro contra Barra da Tijuca, pela quarta rodada da Taça Waldir Amaral, que é o segundo turno da competição; e o segundo contra Mageense, pela sexta rodada.

De acordo com informações do portal “globoesporte.com” relatório diz:

“Pelos depoimentos colhidos, ficou claro que o procedimento adotado do clube tinha por fim facilitar e encobrir as práticas infracionais. Isto porque o clube recebia, diretamente do laboratório, em seu e-mail, os resultados dos exames quando eram realizados, com objetivo de menos pessoas incluídas no procedimento e facilitação das utilizações de documentos falsos, sem que gerasse visibilidade dentro da própria estrutura administrativa da instituição.

Participavam do esquema o ex-presidente, o atual presidente, que à época era vice-presidente do clube, e o gestor do clube. A prática da infração ocorreu premedita porque precisou realizar a montagem filtrada da estrutura do clube, de modo a gerar menos contato com as falsificações e dificultar a visibilidade, quando sequer os exames passavam por análise da equipe médica, que seriam os responsáveis para liberar o atleta para a competição”.

O portal entrou em contato com o gestor Antônio Carlos por meio da assessoria do Mesquita, mas não recebeu retorno. A Ferj afirmou que encaminhou a denúncia às autoridades (TJD-RJ, polícia e Ministério Público), fazendo a parte que acredita caber a ela.

você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais