Mesquita Online
Notícias de Mesquita todo dia

Faperj investe em R$ 10 milhões no desenvolvimento de redes de Inteligência Artificial

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

PÁGINA INICIAL > IMPRENSA > NOTÍCIAS

Faperj investe em R$ 10 milhões no desenvolvimento de redes de Inteligência Artificial

17 de abril de 2021
A Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), vinculada à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, investirá R$ 10 milhões em três redes de Inteligência Artificial (IA) no Estado do Rio de Janeiro. As redes serão nas áreas de energias renováveis, impacto agroambiental e mudanças climáticas, coordenada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); uma segunda na área de imageamento, cidades inteligentes e gestão pública de saúde, reunindo o Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e o Instituto Militar de Engenharia (IME); e a terceira é focada em energia e educação virtual, em uma parceria da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e da Universidade Federal Fluminense (UFF).A rede de energias renováveis será coordenada pelo professor Álvaro Luiz Gayoso de Azeredo Coutinho, da UFRJ, e se dedicará ao centro de excelência digital e inteligência artificial do Rio, o Hub.Rio, com atuação nas áreas de energias renováveis e mudanças climáticas, bioeconomia de alto desempenho e empreendedorismo de impacto agroambiental no cinturão verde fluminense.A segunda rede será na área da saúde e do diagnóstico (FOTO); das cidades inteligentes e como mitigar os impactos ambientais através da compostagem de resíduos orgânicos. Coordenada por Roberto Imbuzeiro Moraes Felinto de Oliveira, do IMPA, a rede atuará ainda na gestão e no controle de prestação de serviços públicos de saúde.A realidade virtual e a criação de conteúdos educacionais serão objetos da terceira rede, sob coordenação de Marley Maria Bernardes Rebuzzi Vellasco, da PUC-Rio. Esta rede também se dedicará ao setor de óleo e gás do Rio de Janeiro.Este edital da Faperj busca transformar o Estado em um centro de excelência e referência em inovação frente aos desafios da revolução digital.Para a diretora científica da Faperj, Eliete Bouskela, a linha de pesquisa relacionada à Inteligência Artificial é extremamente atual. 
 
– Este é o primeiro edital lançado pela Agência sobre ‘IA’, uma linha de pesquisa moderna e necessária. Houve a formação de três redes, e temos a satisfação de observar a participação expressiva de grupos do interior do Estado. A Faperj considera que é parte de sua missão o apoio a grupos emergentes que podem melhorar suas possibilidades de evoluir cientificamente – disse Eliete.O edital é pioneiro e ocorre no momento em que a pandemia do coronavírus acelerou fortemente o imperativo da transformação digital na sociedade, em especial para empresas, instituições de ensino e setor público. Nos próximos anos, a capacidade de coletar e gerenciar grandes volumes de dados e de construir plataformas digitais, demanda fortemente ligada ao uso de Inteligência Artificial, será crucial para diversos setores econômicos, bem como para o fornecimento de serviços públicos.Segundo o diretor de tecnologia da Faperj, Maurício Guedes, a integração de competências e esforços em Inteligência Artificial na forma de redes poderá trazer para o Rio de Janeiro grandes ganhos nos próximos anos.
 
– Muito em breve a IA entrará em nossas vidas de uma forma não imaginável há poucos anos. Da medicina à agricultura, dos transportes ao lazer, em todos os campos de nossas vidas cotidianas estaremos utilizando ferramentas de IA. E a Inteligência (humana) associada à capacidade empreendedora terá enormes oportunidades para geração de emprego e renda em nosso estado – destacou Guedes.De acordo os gestores, a pandemia está precipitando uma verdadeira revolução tecnológica nos setores de saúde e de educação, que dependerão cada vez mais de tecnologias como realidade virtual, big data e Inteligência Artificial para se adaptar às novas demandas impostas pela necessidade de distanciamento social. Com o avanço do trabalho remoto, as cidades também irão sofrer grandes transformações, tornando-se mais descentralizadas e “inteligentes”. Neste sentido, a urgência trazida pelas mudanças climáticas que acelera a tendência de transição energética e, assim, força a diminuição do impacto ambiental de setores tradicionalmente poluentes, como a cadeia de petróleo e gás.

você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais